Esta é uma lista das melhores coisas para fazer no Gerês. Abrange as melhores aldeias, as mais belas cascatas, os miradouros mais impressionantes, alguns trilhos para quem gosta de caminhadas e agradáveis praias fluviais. Pode fazer as atividades por conta própria ou então optar por um tour no Gerês de jipe, com almoço incluído (é uma óptima forma de fazer novos amigos!)

Como é um artigo longo, use este índice para ir diretamente para as seções que mais lhe interessam sobre o que fazer no Gerês:

Aproveite e use também este mapa com os diferentes tipos de atividades que pode fazer no Gerês, de acordo com este esquema de cores:

  • Azul: assinala as cascatas mais bonitas do Gerês, onde se pode tomar um banho refrescante (ainda que gelado!).
  • Castanho: assinala as praias fluviais do Gerês, onde pode tomar banho e fazer desportos aquáticos.
  • Amarelo: assinala as vilas e aldeias históricas do Gerês, para as pessoas que preferem descobrir o património cultural português.
  • Cor de Rosa: assinala os miradouros mais espetaculares do Gerês.
  • Trilhos: os trilhos que inclui neste artigo não aparecem no mapa, mas aparecem no corpo do artigo, com todas as indicações necessárias.

Já chega de paleio, vamos então descobrir o que fazer no Gerês!

Miradouros no Gerês

Uma das melhores coisas para fazer no Gerês é tirar fotografias nos belos miradouros da região. Há uns muito populares, outros ainda desconhecidos, e eu vou falar-lhe dos que valem realmente a pena.

Miradouro de Tibo

vista miradouro tibo geres

O Miradouro de Tibo é um espanto da natureza e um dos segredos bem guardados do Gerês, talvez pela sua localização a norte, longe da popular vila do Gerês. Este miradouro no Gerês proporciona uma vista desafogada sobre a serra da Peneda e o vale do Laboreiro, inclusivamente da albufeira do Alto Lindoso. É lindo, lindo, lindo.

Acesso: pode ir de carro e estacionar mesmo ao lado do miradouro.

Coordenadas GPS: 41°55’39.2″ N 8°14’15.6″ W

Altitude: 800 metros

Miradouro de Fafião

O Miradouro de Fafião é um dos menos falados miradouros no Gerês, mas não se percebe muito bem porquê. Afinal de contas, é de fácil acesso e tem uma vista muito bonita sobre as serras em redor. Tem também um passadiço muito bem construído e seguro que torna as fotografias ainda mais bonitas.

Acesso: estacione o carro na aldeia de Fafião e siga o curto trilho que o leva ao miradouro, partindo do parque de merendas da aldeia.

Coordenadas GPS: 41°42’21.5″N 8°05’26.4″W

Altitude: 800 metros

Miradouro da Pedra Bela

miradouro pedra bela geres

Talvez o mais popular miradouro no Gerês, e não admira: tem uma vista deslumbrante sobre o rio Cávado e as serras circundantes, para além de ser de fácil acesso. Por isso, ir ao Miradouro da Pedra Bela é sem dúvida umas das melhores coisas para fazer no Gerês.

Acesso: dá para levar o carro mesmo até ao miradouro, embora seja uma chatice para estacionar. Mais vale estacionar a 100 / 200 metros do miradouro e fazer o resto do caminho a pé.

Coordenadas GPS: 41°42’56.6″ N 8°09’11.7″ W

Altitude: 1100 metros

Miradouro da Boneca

miradouro boneca geres

O miradouro da Boneca é bastante próximo do miradouro da Fraga Negra mas tem uma vista mais bonita por se encontrar num ponto mais elevado, permitindo uma perspetiva completa do vale do Rio Gerês. O nosso olhar contempla o vale desde a Portela de Leonte até à albufeira da barragem da Caniçada, no Rio Caldo.

Acesso: Não é possível ir de carro até ao miradouro. Mal veja que não é possível avançar mais, estacione o carro e faça o restante caminho a pé (10 minutos, no total).

Coordenadas GPS: 41°43’38” N  8°10’18” W

Altitude: 750 metros

Miradouro da Fraga Negra

miradouro fraga negra

Este miradouro situa-se a meia encosta, proporcionando já uma vista agradável da albufeira da barragem da Caniçada a sul e do vale do rio Gerês, a norte.

Acesso: Não é possível ir de carro até ao miradouro. Quando vir que não é possível avançar mais, estacione o carro e faça o restante caminho a pé (10 minutos, no total).

Coordenadas GPS: 41°43’37.07″ N -8°10’6.23″ W

Altitude: 575 metros

Miradouro da Junceda

miradouro junceda geres

Do topo do miradouro da Junceda pode admirar o vale do Gerês e o seu modelado granítico, a Vila do Gerês e toda a paisagem circundante. Perto do miradouro encontra-se a casa do guarda da Junceda, que é o ponto de partida do trilho PR11 – Trilho da Silha dos Ursos.

Acesso:  através de um estradão em terra batida, com extensão de 2,5km, que está sinalizado num entroncamento com a estrada que liga o Campo do Gerês à Vila do Gerês (M-533).

Coordenadas GPS: 41 44.510′ N 008 10.210′ W

Altitude: 915 metros

Dica: se gosta de fazer caminhadas, uma das melhores formas de descobrir os melhores miradouros do Gerês é fazendo o Trilho PR6 – Trilho dos miradouros, que percorre a encosta a poente da vila do Gerês. É um percurso com aproximadamente 10km de extensão e duração de 5h, durante o qual visitará o Miradouro da Junceda, no ponto mais elevado do trilho, o Miradouro da Boneca a meia encosta, e os Miradouros da Fraga Negra e da Peneda da Freira já próximos da Vila do Gerês. Para mais informações, consulte este website.

Cascatas no Gerês

Há cascatas no Gerês para todos os gostos e feitios: pequenas e grandes, populares e recônditas, de fácil ou de difícil acesso. Deixo-lhe aqui a lista das minhas preferidas e também um link para uma caminhada das cascatas e lagoas do Gerês, uma excelente forma de conhecer este parque nacional.

Cascata da Portela do Homem

cascata portela homem geres

Tomar banho na Cascata da Portela do Homem é a resposta imediata à pergunta: “O que fazer no Gerês?”. As águas cristalinas com espaço para nadar e as pedras lisas que convidam à toalha estendida fazem desta uma das melhores cascatas no Gerês.

Acesso: A Cascata da Portela do Homem está dentro da Mata da Albergaria, cujo acesso custa 1,50€ por carro. Por cima da cascata existe uma ponte onde não pode estacionar o carro (a multa ascende aos 250€), pelo que tem duas soluções: ou estaciona num parque de estacionamento que fica a 600m a pé, do lado português, ou então continua pela estrada N308 – 1 em direção a Espanha (pode deixar o carro do lado espanhol) e depois vai até à cascata a pé.

Coordenadas GPS: 41°48’14.8″ N 8°07’41.7″ W

Cascata do Arado

cascata arado geres

© pnpgeres

A Cascata do Arado é uma das melhores cascatas no Gerês. Com uma impressionante altura de 900m, a cascata vai formando pequenas lagoas naturais ao longo da sua queda. É lindíssima. Por isso mesmo, não se assuste se chegar lá e tiver uma multidão à sua espera: a melhor altura para explorar esta cascata no Gerês é de manhã bem cedo ou então fora da época balnear. Por outro lado, o acesso à Cascata do Arado não é trivial (mas eu explico-lhe como lá chegar).

Acesso: Deixe o carro perto do miradouro das rocas (largo) e vá pela estrada de terra batida até à ponte sobre o rio Arado. A partir daí, suba até à cascata do Arado e deslumbre-se com a queda de água. Os degraus são, por vezes, altos e irregulares, pelo que não é uma caminhada aconselhável a pessoas idosas ou com dificuldades de locomoção. Para aceder à zona de banhos, regresse ao local onde deixou o carro e suba uma ladeira inclinada até às lagoas naturais.

Coordenadas GPS: 41°43’27.1″ N 8°07’47.7″ W

Cascatas do Tahiti

cascatas tahiti geres

As Cascatas do Tahiti são das cascatas mais bonitas do Gerês, formando uma espécie de anfiteatro granítico cujo palco é uma lagoa natural onde dá para tomar um banho muito aprazível.

Contudo, o acesso não é muito fácil nem muito seguro, sendo extremamente escorregadio. A ausência de qualquer tipo de proteção ou de sistemas de vigilância / assistência proporcionam acidentes frequentes nesta cascata do Gerês. Vale a pena lá ir, mas com muito juízo, por isso leve um bom par de sapatilhas de montanha.

Acesso: Apanhe a estrada CM1276 que liga Vilar de Veiga a Ermida. Encontrará um pequeno entroncamento à sua direita com uma placa para Cabril, que deve seguir até encontrar uma ponte de madeira sobre o rio Ardo. Estacione o carro e faça o resto do caminho a pé, até às Cascatas do Tahiti.

Coordenadas GPS: 41°42’15.4″ N 8°06’34.6″ W

Cascata de Pincães

cascata pincaes geres

Visitar a Cascata de Pincães é uma das melhores atividades no Gerês para quem, como eu, gosta pouco de multidões veranis. Esta cascata no Gerês é lindíssima, formando um círculo quase perfeito com uma grande pedra granítica no centro, qual ilha fantástica. O acesso é bastante simples.

Acesso: para aceder à Cascata de Pincães basta estacionar o carro na aldeia de Pincães e fazer 2 km a pé (demora cerca de 15/20 minutos).

Coordenadas GPS: 41°42’58.7″ N 8°03’34.6″ W

Cascata de Cela Cavalos

cascata cela cavalos geres

© Pnpgeres

A Cascata de Cela Cavalos não é tão movimentada como outras desta lista por estar para os lados de Montalegre, na zona este do Parque Nacional Peneda Gerês. No entanto vale muito a pena, não só pela sua beleza natural mas também pelos bonitos trilhos que lhe dão acesso.

Acesso: estacione o carro na Capela de Santa Luzia na aldeia de Cela, acessível a partir da M308, e depois percorra um caminho de terra batida até à cascata de Cela Cavalos (aproximadamente 2 km, ou 20 a 30 minutos a pé).

Coordenadas GPS: 41°45’39.1″ N 7°59’12.6″ W

Cascatas das Lagoas da Mata de Albergaria

cascatas mata albergaria parque nacional peneda geres

© António Cunha

Uma das melhores coisas a fazer no Gerês é visitar a Mata da Albergaria, e já que lá está, aproveite para tomar banho nas Cascatas das Lagoas da Mata de Albergaria. Geralmente não tem muita gente e o caminho para lá chegar é idílico.

Acesso: deixe o carro no parque de estacionamento da Portela do Homem (junto à fronteira com Espanha) e, de lá, faça o restante caminho a pé (são cerca de 2 km, ou 20 minutos a pé). O percurso é muito bonito, passando por três pontes e por trechos da famosa Geira Romana, da qual falo na secção de Trilhos no Gerês deste mesmo artigo.

Coordenadas GPS: 41°47’43.4″N 8°08’09.4″W

Cascatas das 7 Lagoas

cascatas sete lagoas geres

© VortexMag

Para chegar às Cascatas das 7 Lagoas tem de percorrer um trajeto de 6km (só de ida), o que provavelmente explica que estas cascatas, que são uma das melhores cascatas no Gerês, sejam também das menos conhecidas. Algumas lagoas permitem mergulhos, outras têm rochas que formam escorregas suaves para quem não é muito aventureiro.

Tenha em atenção que não há poucas zonas de sombra nestas lagoas (nem no trajeto até lá), por isso não se esqueça de levar o chapéu e um bom protetor solar. 

Acesso: há várias formas de chegar às Cascatas das 7 Lagoas, mas a forma mais rápida é estacionar o carro na aldeia do Xertelo e fazer o Trilho das 7 Lagoas a pé (5 km de extensão, que correspondem a 1h30 de caminhada). Também pode partir da Ponte da Misarela, entre Montalegre e Vieira do Minho, numa caminhada de 15 km ou 4h a pé.

Coordenadas GPS: 41°45’32.7″ N 8°01’37.4″ W

Cascata do Poço Azul

cascata poco azul geres

© wikiloc

O Poço Azul é profundo, remoto, lindíssimo; um segredo escondido no Parque Nacional Peneda Gerês. Tem a vantagem de ter um bosque ribeirinho com bonitos carvalhos que providenciam sombra nos dias mais quentes. Para lá chegar precisa mesmo de dar à perna, o que, a meu ver, é só uma vantagem.

Acesso: pode fazer o trilho que vai desde as Cascatas do Arado à Cascata do Poço Azul, num percurso circular de cerca de 10km (ida e volta, portanto).

Coordenadas GPS: 41°44’03.8″ N 8°06’27.5″ W

Vilas e aldeias históricas no Gerês

Castro Laboreiro

ponte velha castro laboreiro

© Daniel Jorge

Dada a sua localização remota, num dos pontos mais a noroeste do Parque Nacional Peneda Gerês, a vila de Castro Laboreiro manteve as suas tradições intactas, bem visíveis a quem a visita.

Em Castro Laboreiro deve visitar as ruínas do castelo, do século XII, o pelourinho manuelino e a ponte velha. Mas, se quer um conselho, aventure-se um bocadinho pelas redondezas: parta à descoberta dos antigos fornos comunitários (agora abandonados), dos monumentos funerários e da ponte romana da Cava Velha (a 3 km da vila). A paisagem é granítica, desoladora, de arrebatar o coração.

Onde ficar alojado: Castro Laboreiro tem dois hotéis ma-ra-vi-lho-sos: o Hotel Castrum Villae e a Just Nature Guesthouse.

Soajo

vista aerea aldeia soajo

Soajo é uma das vilas mais famosas do Gerês devido aos seus 24 espigueiros, cujo mais antigo remonta a 1784. No centro da vila tem um pelourinho com um símbolo antropomórfico: essencialmente, um homem a comer uma fatia de pão.

Os seus magníficos espigueiros, as casas bem recuperadas e o pelourinho fazem com que uma visita a Soajo seja uma das melhores coisas para fazer no Gerês.

Onde ficar alojado: eu pessoalmente adoro as Casas do Cavaleiro Eira, que já mencionei no meu artigo sobre os melhores hotéis no Gerês. Se procura algo mais sofisticado, então recomendo vivamente o Ribeira Collection Hotel, em Arcos de Valdevez (a 30 minutos de carro de Soajo).

Lindoso

espigueiros lindoso geres

Descobri Lindoso por mero acaso, quando estava a fazer a nacional 304 – 1 e, de repente, vi as ruínas de um castelo a espreitar pela janela. Parei o carro e fui então visitar o castelo de Lindoso (a entrada é gratuita), que remonta ao século XIII.

Saindo do castelo, pode contorná-lo pela esquerda ou pela direita para ir ter a um dos segredos mais bonitos do Gerês: os espigueiros de Lindoso, estruturas graníticas que a população usava para secar o milho. Serão uns 50 ou 60 espigueiros e, a meu ver, ainda mais impressionantes que os de Soajo.

Aqui encontra também uma das portas do Parque nacional Peneda Gerês, precisamente a porta do Lindoso, com um pequeno centro de atendimento onde lhe podem dar imensas informações sobre a zona.

Onde ficar alojado: Em Lindoso não existe alojamento, mas existe uma casa de turismo rural lindíssima na aldeia de Parada, mesmo ao lado, que se chama Casa da Fecha.

 Sistelo

socalcos sistelo parque nacional peneda geres

© Food And Travel

A vila de Sistelo não está localizada dentro do Parque Nacional Peneda Gerês, mas é digna de nota porque tem alguns dos trilhos mais bonitos do Gerês, que são sem dúvida uma das atividades para fazer no Gerês. Encontra informações mais detalhadas sobre estes trilhos do Sistelo na secção correspondente deste artigo, mais abaixo.

Onde ficar alojado: Em Sistelo existem duas casas de turismo rural muito fofinhas, que se chamam Casa do Beijinho e Casa do Ramiscal.

Pitões das Júnias

mosteiro pitoes junias o que fazer no geres

© Abrigos de Pitões

Se o que procura no Gerês é paz e reclusão então dirija-se a Pitões das Júnias, uma das aldeias históricas no lado transmontano Parque Nacional Peneda Gerês. Aqui, faça os 2 km a sul da vila até chegar ao Mosteiro de Santa Maria das Júnias. Agora em ruínas (sobra apenas a igreja, lindíssima), não deixa de ser um registo impressionantes das antigas ordens cistercienses.

A partir das ruínas do mosteiro, continue a fazer a caminhada até ao miradouro da Cascata de Pitões de Júnias. É sem dúvida umas das melhores coisas a fazer no Gerês.

Onde ficar alojado: na famosíssima Casa do Preto, um alojamento muito em conta com um restaurante fabuloso.

Santuário da Peneda do Gerês

vista aerea santuario peneda geres

O Santuário da Peneda Gerês, do século XVIII, é um impressionante monumento à fé católica em plena paisagem serrana, com uma escadaria monumental e vinte capelinhas com cenas bíblicas. Na primeira semana de Setembro, decorre aqui uma importante romaria do Alto Minho, já de si conhecido pelas festas religiosas de arromba.

Nas proximidades do Santuário da Peneda Gerês existe um hotel com o mesmo nome, pouso perfeito para partir à descoberta das aldeias vizinhas e de trilhos locais como o PR 8 – Trilho da Mistura das Águas.

Onde ficar alojado: bem pertinho do santuário ficam as Casas da Peneda, uma unidade de turismo rural linda, linda.

Praias Fluviais no Gerês

A maioria das praias fluviais no Gerês situam-se na Albufeira da Barragem de Caniçada. Na sua larga maioria são bastante acessíveis, com estacionamento e acesso rápido a restaurantes, cafés, e desportos aquáticos. Há algumas – poucas – fora deste circuito que têm menos movimentos, e que deixei para o fim desta secção sobre o que fazer no Gerês.

Praia Fluvial de Alqueirão

alqueirao praia fluvial geres

Uma das melhores praias fluviais no Gerês é a Praia de Alqueirão, distinguida com qualidade ouro no ano passado. De fácil acesso, logo à esquerda da ponte que dá acesso à Vila do Gerês, esta praia oferece não só a possibilidade de banhos mas também de atividades aquáticas para toda a família. Também pode aproveitar para dar um passeio à volta da albufeira da Caniçada, onde esta praia se encontra.

Coordenadas GPS: 41°40’45.2″ N 8°10’34.6″ W

Praia Fluvial da Barca

praia fluvial barca geres

Outra coisa a fazer no Gerês é pegar no carro e rumar à Praia Fluvial da Barca, perto do santuário de São Bento da Porta Aberta. Dotada de ótimos acessos (pode parar o carro praticamente em frente à praia), de um parque de estacionamento, de mesas de piquenique e restaurantes nas proximidades, esta praia do Gerês é das mais facilmente visitáveis.

Coordenadas GPS: 41°40’55.1″N 8°11’11.2″W

Praia Fluvial do México

praia mexico arvores sombra

A praia do México (bonito nome para se dar a uma das melhores praias fluviais no Gerês) está localizada na albufeira da barragem da Caniçada. É uma praia bonita e de águas cristalinas, e o seu acesso mais difícil afasta as multidões. Contudo, nos últimos anos tem havido imensas queixas do excesso de motas de água nesta zona, o que tornam a praia muito barulhenta.

Coordenadas GPS: 41°40’45.5″ N 8°09’25.7″ W

Praia Fluvial de Ipanema

praia ilha geres

A praia de Ipanema, também chamada de Praia da Barragem, é famosa por ter, mesmo em frente, uma amorosa e pequeníssima ilha a que chamam Praia da Ilha do Gerês. Ambas as praias são bastante versáteis na medida em que permitem tomar banho e dar um passeio de canoa ou de pedalinho.

Esta praia fluvial no Gerês é de fácil acesso, com imensos restaurantes e cafés nas proximidades, bem como um parque de estacionamento.

Coordenadas GPS: 41°41’25.7″ N 8°10’25.0″ W

Praia Fluvial Gerês Albufeira

praia fluvial geres albufeira

A praia fluvial Gerês Albufeira é, como o nome indica, mais uma das praias da Albufeira da Barragem de Caniçada, e tem as mesmas características da Praia Fluvial de Alqueirão e da Praia Fluvial de Ipanema. Contudo, aviso desde já que o estacionamento é caótico e pago, e espere encontrar por lá multidões.

Coordenadas GPS: 41°42’00.3″ N 8°10’19.2″ W

Praia Fluvial de Vilarinho das Furnas

praia fluvial vilarinho furnas

© Tiago Lopes

Longe das zonas movimentadas do parque nacional Peneda Gerês encontra-se a Praia Fluvial de Vilarinho das Furnas. Criada aquando da criação da Barragem de Vilarinho das Furnas, é uma praia praticamente sem turistas – não espere, por isso, encontrar grande infraestrutura de suporte. No entanto, o silêncio e a harmonia com a natureza compensam largamente a ausência de comodidades.

Para além disso, uma das melhores atividades para fazer no Gerês, especialmente no Verão, é vislumbrar as ruínas da aldeia submersa pela albufeira da Barragem de Vilarinho das Furnas, precisamente onde se encontra esta praia.

Para chegar lá, dirija-se à Barragem de Vilarinho das Furnas e faça o resto do caminho a pé (cerca de 2 km).

Coordenadas GPS: 41° 46′ 1.0524″ N 8° 12′ 4.0392″ W

Trilhos no Gerês

Este parque nacional é enorme, por isso é literalmente impossível listar, neste artigo sobre o que fazer no Gerês, todos os trilhos disponíveis. Contudo, deixo-lhe aqui os trilhos no Gerês que eu mais gosto:

Geira Romana

mata albergaria geres

© CMJornal

Na intocada Mata da Albergaria encontra-se um troço bem preservado da antiga Via Nova, uma estrada romana que ligava as cidades de Bracara Augusta (atual Braga) a Austurica Augusta. São pedras com milhares de anos que contam a história de um tempo que já passou mas que nos abraça nesta caminhada, à sombra de árvores magníficas.

Aconselho a que faça o trajeto entre a milha XXVIII, em Campo do Gerês, e a milha XXXIV, na fronteira da Portela do Homem. A milha XVIII tem início na bifurcação entre a estrada que segue para a Barragem de Vilarinho das Furnas e a estrada de terra batida que vai ter à estrada para a Portela do Homem. O trilho da Geira Romana segue à esquerda desta estrada.

Distância: 17 km
Dificuldade: Moderada

Trilho dos Passadiços do Sistelo

passadicos ecovia vez

© Paulo Alexandre Anjos

O trilho dos Passadiços do Sistelo é, na verdade, um dos mais curtos trilhos no Gerês, com uma extensão de 1,8km. No entanto, como fazem parte da Ecovia do Vez – essa sim com uma extensão de 32km -, pode aproveitar para fazer um trilho mais compostinho. O que sugiro é que faça o trajeto entre a aldeia de Sistelo e a ponte medieval de Vilela, um percurso de 11km entre paisagens de cortar a respiração.

Distância: 22km (ida a volta)

Dificuldade: Fácil / moderada

Trilho da Ponte da Misarela

trilho ponte misarela grupo amigos

Encontrei este trilho no Gerês quase por acaso, quando fui passar uns dias com amigos por aquelas bandas. O trilho parte de Vila Nova (junto ao campo de Futsal) e termina precisamente na Ponte da Misarela, também conhecida por Ponte do Diabo.

Quando lá fui com os meus amigos levamos um bom farnel e uma toalha e rapidamente fizemos um picnic numa rocha plana mesmo ao lado da Ponte da Misarela. Foi maravilhoso!

Distância: 12km

Dificuldade: Fácil / moderada

Castro Laboreiro

trilho geres castro laboreiro

Uma das coisas mais maravilhosas a fazer no Gerês são os trilhos temáticos, tal com o trilho das transumâncias castrejas na zona de Castro Laboreiro. Passo a explicar: antigamente os pastores moviam os seus rebanhos entre as Brandas, situadas nos locais de menor cota, e as Inverneiras, nos locais de maior cota, de forma a poder alimentá-los mas também protege-los melhor. O trilho castrejo de Castro Laboreiro é um trilho de homenagem a essas transumâncias, fenómenos humanos com milhares de anos.

Tem também a vantagem de ser um trilho circular, com início e fim em Castro Laboreiro.

Distância: 17km (percurso circular)

Dificuldade: Moderada

Trilho da Vezeira de Fafião

montanhas trilho vezeira fafiao

Deixei para último um dos mais difíceis trilhos no Gerês, o Trilho da Vezeira de Fafião, que guarda uma zona de badios. Vezeira consiste na junção de rebanhos de uma aldeia, de proprietários diferentes, para serem pastorados em terrenos comuns, os badios. O papel de todos os membros da vezeira é conduzir o rebanho coletivo à vez, e por isso encontramos pequenas cabanas espalhadas pelo caminho, que serviam de abrigo aos pastores.

Quem, como eu prefere a desolação do granito à exuberância do Gerês fluvial, vai sem dúvida apaixonar-se por este trilho despido, sem distrações que não as montanhas imensas.

Este trilho no Gerês é difícil, quer pela distância percorrida (20km), quer pelas variações de costa, entre os 500m e os 1260m de altitude. Se quiser aventurar-se, siga as Instruções do Trilho da Vezeira de Fafião.

Distância: 20 km

Dificuldade: Elevada

 

Como ir para o Gerês?

O Parque Nacional Peneda Gerês está bem servido de estradas nacionais e está relativamente bem sinalizado. Infelizmente os transportes públicos não são nada de especial, por isso aconselho a que leve o seu carro ou, caso não tenha, a que alugue um na AutoEurope ou no RentalCars.

Guarde este artigo para mais tarde:

o que fazer parque nacional peneda geres

lista atividades fazer geres