Rituais caretos e outros mistérios transmontanos

Diversos

Março 2, 2017
blog porto portoalities

Portoalities

Portoalities

blog porto portoalities

Quando um blogger escreve, tem em mente um certo objectivo: escrever para um público alvo, sobre um qualquer tema que seja do interesse dessas pessoas. Aqui no Portoalities, a esse objectivo soma-se a responsabilidade de responder o melhor possível às questões que me colocam diariamente sobre o Porto.

carnaval podence caretos

A fotografia está péssima. Mas ilustra bem o sentimento, que é o que realmente importa!

Mas hoje, não escrevo por nada disso. Escrevo pelos mistérios que descobri no Entrudo do Nordeste transmontano; escrevo pelo imenso companheirismo que encontrei nos caretos de Podence; escrevo pelo assombro da paisagem do parque natural do Azibo, palco de desmedidas aventuras carnavalescas.

Escrevo, em suma, de um peito transbordante, que a minha costela transmontana não se escusa a paixões por este cantinho de Portugal.

Do que vos quero falar, meus senhores, é do impagável Carnaval de Podence!

Mas o que é tão especial no Carnaval de Podence?

Todos os anos existe um programa de festas por ocasião do Carnaval de Podence, com muitas actividades para todos os gostos.carnaval podence caretos
Os desfiles de caretos, que decorrem em Podence e em Macedo de Cavaleiros, são imperdiveis. Os homens saem à tua mascarados com fatos farfalhudos, munidos de chocalhos à cintura, com os quais chocalham as raparigas solteiras.

O segredo, meninas, é agarrarem-se a eles e saltarem enquanto eles saltam, porque os chocalhos magoam mesmo!
Existe também a queima do entrudo: um diabólico boneco de palha, vermelho e com cornos. É um momento dramático, de grande catarse social.

Eu assisti à queima de dois entrudos: um em Macedo, depois do desfile dos caretos…carnaval podence caretos carnaval podence caretos
… e outro depois do pregão casamenteiro, uma tradição giríssima em que os homens de Podence, com uns grandes megafones, anunciam “casamentos” entre os solteiros da aldeia. No dia seguinte, a “noiva” prepara o pequeno almoço para o seu “noivo”.

Na verdade, não é uma tradição exclusiva do Carnaval de Podence – a minha mãe contou-me que faziam este ritual na nossa aldeia, Duas Igrejas, e noutras localidades do nordeste transmontano.carnaval podence caretos carnaval podence caretos

Depois de casados os solteiros, é tempo de queimar o entrudo.carnaval podence caretos

O que fazer no Carnaval de Podence, para além das tradições de entrudo?

Uma das coisas que mais gostei de fazer foi de visitar a Albufeira do Azibo, a dois minutos de carro de Podence.

A paisagem é sublime, a perder-se de vista; pede uns momentos de silêncio para ser devidamente admirada.carnaval podence caretos carnaval podence caretos
Para chegarem a este local, basta seguirem as placas que dizem “Azibo”. Quando entram no parque, sigam em direcção a Santa Combinha.

Vão passar por diversas praias fluviais e, quando chegarem a Santa Combinha, virem à direita em direcção a “parque de merendas”.

Os vegetarianos que me perdoem, mas faço questão em falar disto!

Se há tradição que sempre me fascinou é a matança do porco. Ritual de família e vizinhança, com clara separação de papéis masculinos e femininos, marca ainda a saída do Inverno.

Infelizmente, na minha família não se faz matança do porco desde que o meu avô morreu, pelo que ainda não tinha tido a oportunidade de fotografar este magnífico evento que persiste nas aldeias portuguesas. Até ao Carnaval a Podence… 🙂

Quando eu cheguei o porco já estava morto, mas fui mesmo a tempo de ver a chamusca do pêlo. Hoje em dia é feito com um maçarico, mas no tempo do meu avô, era com palha!

Ao mesmo tempo, descalça-se o porco (quero dizer, retiram-se as unhas), e com facas bem afiadas, vai-se raspando o pêlo chamuscado. O porco fica limpo, limpinho, pronto a ser aberto perante a audiência que vai crescendo.

Depois, a verdadeira perícia: o homem mais experiente abre o porco, e retira a pele toda da barriga. Os orgãos ficam expostos, para rapidamente serem retirados, em conjunto.

No dia da matança do porco no Carnaval de Podence, deitaram as tripas fora; na minha família, começava nessa altura o trabalho das mulheres que, laboriosamente, lavavam as tripas à mão. Estas eram depois usadas para fazer as chouriças, as alheiras, o chouriço de ossos, as morcelas, as linguiças… que saudades desses tempos!

Onde ficar durante o Carnaval de Podence

Dona Fina Guesthouse

Rua da República, 126. Mirandela

Fiquei alojada em Mirandela, numa pensão adorável chamada Dona Fina Guesthouse.

Confesso que antes de lá chegar tinha algum receio de que ficasse muito longe de Podence, e que as viagens entre os dois locais fossem cansativas. Mas foi uma excelente decisão ter ficado na Dona Fina Guesthouse! Para além do preço convidativo, as viagens entre Mirandela e Podence fazem-se rapidamente. Todos os dias fui à pensão tirar uma pequena sesta, antes das celebrações noturnas, que me souberam muito bem.

A Sandra, a dona da Dona Fina Guesthouse, fez-me sentir muito bem vinda. Eu não disse que era blogger, por isso não tive “direito” a qualquer atenção especial; recebi simplesmente o imenso carinho e atenção que dedica a todos os seus hóspedes!

Todos os dias havia bolinho fresco, fruta biológica à disposição, bem como pão e compotas caseiras a qualquer hora do dia.

Uma vez adormeci no sofá, para acordar levemente com a Sandra a tapar-me com um cobertor. A Sandra é realmente uma pessoa especial que vos fará sentir muito bem vindos e perfeitamente à vontade, como se estivessem alojados na casa de uma amiga de longa data. Obrigada por tudo, Sandra!

Se marcarem com antecedência, podem arranjar alojamento em Podence:

Quando estive em Podence reparei que existem umas casas de turismo rural que me pareceram jeitosas, e que têm a localização perfeita para quem quiser estar “em cima do acontecimento”:

Onde comer durante o Carnaval de Podence

Restaurante Moagem João do Padre

Rua do Porto, Podence | +351 278 431 002

O restaurante Moagem do João do Padre localiza-se num antigo moinho. É um restaurante típico português, com verdadeiras delícias transmontanas como as alheiras e umas fabulosas “casulas à transmontana” (uma espécie de cozido do nordeste). Para finalizar, um delicioso pudim de castanhas.

Uma refeição com sopa, prato principal, sobremesa e bebida fica por cerca de 15€/pessoa. Vale a pena!

Taberna “O Curral do Careto”

Há um restaurante que só se monta por altura do Carnaval de Podence. É o Curral dos Caretos, o local de encontro dos caretos, onde toda a gente se reúne para comer e beber, tocar música e chocalhar as raparigas solteiras, muito depois dos turistas se terem ido embora.

As diversas peças de carne são cozinhadas no lume em grandes potes de ferro, tal como a minha avó faz.

Mas o que é mesmo, mesmo bom no Curral dos Caretos é a alheira – com muita pena minha acabaram num instante, antes de eu ter comprado uma dúzia para trazer para o Porto!
carnaval podence caretos
Termino este artigo em jeito de homenagem. Não se fiquem pelas fotografias e pelos videos. Conheçam os caretos, interajam com eles. São homens maravilhosos, muito hospitaleiros e respeitadores, que vos farão sentir em casa e com saudades mal deixem Podence. São eles quem torna o Carnaval de Podence uma experiência maravilhosa.

2017-08-31T09:24:09+00:00 Março 2nd, 2017|Diversos, Portugal, Trás os Montes|9 Comments
  • Mário Félix

    Desde já um agradecimento a si Sara da nossa parte (Curral do Careto) pela referência à nossa “Tasca”, quanto às alheiras, quando quiser está convidada a vir comê-las aqui a Podence.

    • Portoalities

      Mário, viva! Pode acreditar que já sinto saudades de comer as alheiras do Curral 🙂 Na terra da minha avó (Duas Igrejas) também as fazem boas, mas o sabor é muito diferente. Espero ter mais oportunidades de voltar a Podence (quem sabe no Verão, para aproveitar a praia do Azibo?!). Um abraço, Sara.

  • mariainesfernandes

    Se a Sara é de Duas Igrejas deve conhecer bem o Chocalheiro de Bemposta que também decorre no Carnaval, não? Eu tenho muita curiosidade em visitar todas as terras transmontanas durante estas celebrações e sei que em Bemposta há festa, mas não sei bem se terá a mesma magnitude que o Carnaval de Podence. Este ano não saí do Porto, mas queria ver se para o ano ia passar o Carnaval a uma destas terras.
    Obrigada pelas dicas! 🙂

    • Portoalities

      Olá Mariaine, por acaso não… quando eu era pequenina passava sempre os carnavais lá na aldeia, com os meus primos, mas era muito semelhante aos carnavais do Porto, em que os miúdos se fantasiam e se passeiam pelas ruas… não me lembro de haver nada de particularmente “tradicional”, nem de passar nenhum carnaval em Bemposta. Este ano é que me deu uma vontade súbita de descobrir carnavais mais autênticos, e, depois de algumas pesquisas, descobri o de Podence e o de Lazarim! Se calhar para o ano vou a Lazarim, as máscaras são mesmo muito bonitas, com grandes cabeças de animais, talhadas em madeira 🙂

  • Mário Félix

    Boas noites, conheço perfeitamente Duas Igrejas, onde tenho alguns amigos, tal como em todo o concelho de Miranda do Douro (Boa gente, grandes amigos).
    Em Bemposta existe o Chocalheiro de Bemposta que tem uma máscara muito bonita, este chocalheiro não tem nem de longe nem de perto o impacto dos caretos de Podence, aliás no Concelho de Mogadouro existem outras manifestações ligadas ao solstício de Inverno, em Bruçó, Tó, Vale de Porco e Valverde, tradições que têm sido fortemente apoiadas pelo município que tem relançado estas tradições, tradições essas ligadas ao natal e do ano novo, de carnaval e no distrito de Bragança só os caretos de Podence estão ligados ao Carnaval.

    • Portoalities

      Viva Mário, eu realmente falei com um rapaz em Podence que me falou dessas celebrações que começam pelo Natal / ano novo… eu por acaso nunca ouvi falar delas, nem no Porto nem em Duas Igrejas! Mas depois de ter visto a verdadeira “magia” de Podene fiquei com vontade de conhecer as tradições de outros povoados transmontanos! 🙂

  • Mário Félix

    Também no concelho de Bragança (Salsas, Varge, Parada) e Vinhais (Vila Boa de Ousilhão que saem dia 26/12) existem vários grupos de caretos que a “reboque” dos Caretos de Podence têm vindo a ser recuperados, os Caretos de Podence e não é por fazer parte do grupo estão muito à frente, isto porque se tem trabalhado nesse sentido, principalmente com a mão do Presidente António Carneiro, são muitos anos dedicados a esta tradição.
    Não sei se teve oportunidade de conhecer um pouco o historial em termos de saídas do grupo, mas por aí vemos que existe uma diferença abismal. Só para ter uma ideia, além de várias saídas de norte a sul do país, açores (2), Disney Paris (2) Nice, Viareggio (itália) Montepelier, Limoux, Chalon Sur Saonne (França) Estugarda (alemanha) Macau, Madrid, Leon, Tordesilhas, Pontevedra (espanha).
    Agora cada grupo tem a sua imagem e não há guerra nenhuma, antes pelo contrário, é bem que se revitalizem os grupos e não se deixem morrer as tradições que são a nossa cultura e neste aspecto há que realçar o trabalho e empenho das Câmaras Municipais (Macedo de Cavaleiros, Bragança, Vinhais, Mogadouro e Miranda do Douro) que têm ajudado nesse aspecto de divulgação e recuperação dos grupos.

  • Paulo Fernandes

    Não misturem eventos de carnaval mediáticos com máscaras de zonas diferentes. O chocalheiro de Bemposta não tem nada a ver com caretos de Podence nem aldeias em redor como já foi referido e comparado. o Chocalheiro de Bemposta é somente a máscara mais étnográfica do país.Para mais informação deixo aqui um link para se enriquecerem um pouco mais quanto a sua importância :
    http://www.bemposta.net/chocalheiro.htm#1

    http://videos.sapo.pt/aTP2ZppYMqiiwa4Y8tRt

    • Portoalities

      Boa noite Paulo… Eu diria que as duas coisas – ser um carnaval mediático e Ser a máscara “mais etnográfica” do país não são mutuamente exclusivas, bem pelo contrário; uma deveria potenciar a outra.

      De resto, e permita-me o desabafo, a mim, que estou de fora, entristece-me o discurso de parte a parte de “aqui é mais verdadeiro”, “ali é mais comercial”, “acolá é que são bons”, quando as diversas regiões transmontanas deviam era trabalhar EM CONJUNTO, para que as pessoas circulem entre festividades, fiquem não dois dias mais seis, gastem não 200€ mas 500€ nas férias! Eu que trabalho em turismo p cultural posso dizer por experiência própria que quando tentamos todos para o mesmo lado se gera uma rede de contactos muito forte que beneficia toda a gente! 😉

Vê os meus tours privados