Quem era o Duque da Ribeira?

Cultura Local

Outubro 22, 2015

Portoalities

Portoalities

Quando estava a investigar o motivo pelo qual os miúdos saltam da ponte D. Luís, tropecei numa personagem misteriosa conhecida por Duque da Ribeira. Não que o tivesse conhecido pessoalmente, pois morreu em 1995; mas aparecia de repente, inesperadamente, no meio de todas as conversas.

Tudo começou em casa dos meus pais. Quando estava a falar da Ribeira, perguntaram-me de rompante: Tu sabes quem era o Duque da Ribeira? Para meu embaraço, não fazia a mínima ideia, e disseram-me então que era alguém famoso por resgatar corpos do rio Douro. Mas resgatava pessoas vivas, ou só cadáveres? Fazia por profissão, por vocação? Fiquei intrigada.

Deoclediano Monteiro, conhecido por Duque da Ribeira, era um estivador, marinheiro e até actor, mas era no Douro que se sentia “verdadeiramente vivo”. Quando tinha 11 anos salvou alguém de morrer afogado, e nunca mais parou. Mas o que o tornou famoso foi o resgate dos corpos dos suicidas da ponte D. Luís. O seu conhecimento das correntes do rio era tão extenso que, se lhe dissessem onde é que um corpo tinha caído à agua, imediatamente conseguia determinar em que zona é que o mesmo provavelmente estaria.

“O Duque da Ribeira resgatava corpos das profundezas do rio Douro, num processo chamado “gratear”. Mas vai ter com o Gastão, ele fala-te melhor disso”, disse-me a Olinda Rabelo.gastaoE lá fui eu. O Gastão é muito querido na Ribeira, por também resgatar corpos do rio e ajudar em tudo o que é preciso. Mas, que não haja aqui confusões!, “O Duque era o Duque e eu sou eu. Eu resgato corpos que estão à superfície, enquanto que o Duque se dedicava a resgatar corpos presos no fundo do rio.”. Pára por um momento, atento ao rio. “Era impressionante. Quando lhe diziam que havia um corpo no rio ele não descansava, procurava dia e noite até o encontrar. E, quando isso acontecia, pousava-o na margem e dava-lhe um beijo na testa”. Familiares e amigos vinham de longe, tal como ainda fazem com o Gastão, para lhe agradecer o resgate do corpo de alguém querido.

O Duque também ensinava os meninos da Ribeira a nadar, usando bóias de cortiça para evitar que se afogassem no rio Douro.

“O Duque da Ribeira? Claro que o conhecia! Era muito amigo do meu pai, por serem vizinhos em São João Novo” disse-me a Matilde, uma querida amiga minha. Foi o pretexto ideal para irmos visitar a vizinhança numa bela tarde solarenga.

São João Novo é um bairro antigo do Porto, perto da antiga muralha Fernandina, com uma vista fabulosa para o rio. Era também onde morava o Duque, com a sua mulher. Ou mulheres… aparentemente não se sabe se foram duas ou três, pelo que me apercebi de uma discussão acalorada entre as vizinhas todas, no meio da rua!Matilde (1)O que é certo é a presença inequívoca do Duque da Ribeira no imaginário ribeirinho, anos após a sua morte.  Sejam as memórias das aulas de natação, os salvamentos corajosos ou simplesmente pela sua presença diária, toda a gente da Ribeira conhece e aprecia o Duque. Por isso, podem encontrar um busto de homenagem, em frente à ponte D. Luís: Ao Duque da Ribeira, Símbolo e Sentido, Testemunha e Protagonista da Ribeira. A homenagem da cidade.duque

2017-08-31T09:29:35+00:00Outubro 22nd, 2015|Cultura Local|0 Comments
Vê os meus tours privados